ELEIÇÕES, POPULISMO E DESINFORMAÇÃO DIGITAL: O PAPEL DAS REDES SOCIAIS FRENTE A ESTIGMATIZAÇÃO DA IMPRENSA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21783/rei.v7i2.601

Palavras-chave:

Desinformação digital, redes sociais, populismo eleitoral, democracia de audiência, liberdade virtual.

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo avaliar o papel das redes sociais diante do processo de estigmatização pela qual a imprensa tradicional passa na linguagem de discursos populistas, catalisados pela desinformação digital. Para tanto, passou-se a abordar os conceitos de desinformação e pós-verdade digital, bem como os hábitos que caracterizam esse fenômeno. Em sequência, o trabalho aborda as práticas populistas, demonstrando suas interações com a democracia de audiência e identificando que a imprensa passa a ser, nesses discursos, apontada como parte das “elites” e, assim, considerada inimiga. Verificadas as relações entre os instrumentos que propagam a desinformação digital e a retroalimentação do fenômeno populista, o trabalho passa a propor, mediante uma metodologia hipotético-dedutiva, a curadoria de conteúdo e a modificação qualitativa do comportamento das redes sociais como soluções, concluindo que tais medidas convertem-se em respostas adequadas aos riscos decorrentes do populismo eleitoral, por se tratarem de soluções moderadas, que refreiam o antagonismo digital. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel Vieira Terenzi, Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP)

Mestrando em Ciência Jurídica na linha de pesquisa Função Política do Direito pela UENP - Universidade Estadual do Norte do Paraná. Advogado. Pesquisador vinculado aos Grupos de Pesquisa "Jurisprudência de Direitos Fundamentais" e "Ideologia do Estado e Estratégias Repressivas". Editor da Revista Científica Antinomias. Pesquisador e autor de obras jurídicas. Membro da Comissão de Assistência Judiciária da 161ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil

Beatriz Pereira Junqueira, Universidade Estadual do Norte do Paraná.

Advogada (OAB/SP n° 445688). Mestranda em Ciência Jurídica pela Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP - Jacarezinho/PR (Área de Concentração: Teorias da Justiça - Justiça e Exclusão. Linha de Pesquisa: Função Política do Direito). Bacharel em Direito pelo Centro Universitário Toledo - UniToledo - Araçatuba/SP. Membro do Grupo de Pesquisa Jurisprudência de Direitos Fundamentais (UniToledo – Araçatuba).

Marcos César Botelho, Universidade Estadual do Norte do Paraná.

Doutor em Direito Constitucional no programa da Instituição Toledo de Ensino/Bauru-SP (2011). Mestre em Direito Constitucional pelo Instituto Brasiliense de Direito Público (2008). É professor adjunto vinculado ao programa de mestrado em ciências jurídicas na Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP). Foi advogado da união - Advocacia-Geral da União, lotado na Procuradoria Seccional da União em Campinas/SP. Atuou, ainda, na Coordenação de Propositura de Ações Não Pró-ativas e de Acompanhamento de Ações Penais, Coordenação de Patrimônio Público e Coordenação Trabalhista na Procuradoria-Regional da União da 3ª Região SP/MS e na Procuradoria-Seccional da União em Marília/SP. Foi Coordenador-Geral de Atos Normativos, Coordenador-Geral de Contencioso Judicial e Coordenador-Geral de Exame de Procedimentos Administrativos, todos na Consultoria Jurídica do Ministério da Defesa. Foi consultor jurídico da delegação brasileira que participou da Convenção sobre Responsabilidade por atos criminosos por pessoal em missões de manutenção de paz - Report about sexual exploitation and abuse in United Nations peacekeeping operations, ocorrida em abril de 2007 nas Nações Unidas, em Nova Iorque. Foi delegado do Ministério da Defesa na 11ª Conferência Nacional dos Direitos Humanos. Foi membro-suplente do Ministério da Defesa no Grupo de Trabalho formado pelos membros da Câmara de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CREDEN) e pela Advocacia-Geral da União instituído para elaborar proposta de tópicos que deverão constar de um Projeto de Lei para a Defesa da Soberania e do Estado Democrático de Direito.

Referências

AGUILAR, Juan Fernando Lopez. La democracia mediática: la legislación parlamentaria y los medios de comunicación, in Menéndez Menéndez, A./Pau Pedrón, A. (Dirs.): La proliferación legislativa: un desafío para el Estado de Derecho, Civitas, Madrid, 2004.

ALLCOTT, Hunt; GENTZKOW, Matthew. Social Media and Fake News in the 2016 Election. Journal of Economic Perspectives, 2017, v. 31, n. 2, p. 211-236. Disponível em: < https://www.aeaweb.org/articles?id=10.1257/jep.31.2.211>. Acesso em: 17 jan. 2021.

ARDITI, Benjamin. Populism as an Internal Periphery of Democratic Politics. In: PANIZZA, Francisco (Ed). Populism and the Mirror of Democracy. Nova York: Verso, 2005.

BAUDRILLARD, Jean. Die Transparenz des Bösen: Ein Essay über extreme Phänomene. Berlim, 1992.

BECK, Ulrich. The Reinvention of Politics: Rethinking Modernity in the Global Social Order, Cambridge, Polity Press, 1997.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, 5 de outubro de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm>. Acesso em 05 out. 2020.

BRASIL. Lei nº 12.965/14. Brasília, 23 de abril de 2014. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l12965.htm>. Acesso em 14 jan. 2021.

BUCCI, Eugênio. Pós-política e corrosão da verdade. Revista USP, n. 116, 2018, p.19-30. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/146574>. Acesso em: 13 mai. 2020.

CALDAS, Camilo Onoda Luiz; CALDAS, Pedro Neris Luiz. Estado, democracia e tecnologia: conflitos políticos e vulnerabilidade no contexto do big-data, das fake news e das shitstorms. Perspectivas em Ciência da Informação. Belo Horizonte, v. 24, n. 2, p. 196-220. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-99362019000200196&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 18 dez. 2020.

CASTELLS, Manuel. Ruptura: a crise da democracia liberal. Jorge Zahar Editor Ltda. 2017.

CHEN, Xinran et al. Why students share misinformation on social media: Motivation, gender, and study-level differences. The Journa lof Academic Librarianship, v. 41, n. 5, p. 583-592, 113, 2015. Disponível em: <https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0099133315001494>. Acesso em: 11 ago. 2020.

DARNTON, Robert. Entrevista à Folha de São Paulo. Notícias falsas existem desde o século 6, afirma historiador Robert Darnton. FSP: São Paulo, 19/02/2017. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2017/02/1859726-noticias-falsas-existem-desde-o-seculo-6-afirma-historiador-robert-darnton.shtml>. Acesso em: 04 ago. 2020.

DUNNING, David, et al. Why people fail to recognize their own incompetence. Current Directions in Psychological Science, v. 12, n. 3, p. 83-87, 2003. Disponível em: < https://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1111/1467-8721.01235>. Acesso em: 17 jan. 2021.

FACEBOOK vai avisar quem interagiu com informações falsas sobre o coronavirus. G1. Disponível em: < https://g1.globo.com/economia/tecnologia/noticia/2020/04/16/facebook-vai-avisar-quem-interagiu-com-informacoes-falsas-sobre-o-coronavirus.ghtml>. Acesso em: 8 jan. 2021.

FLOOD, Alison. Post-truth' named word of the year by Oxford Dictionaries. 2016. Disponível em: <https://www.theguardian.com/books/2016/nov/15/post-truth-namedword-of-the-year-b y-oxford-dictionaries>. Acesso em: 10. jan. 2021.

HAN, Byung-Chul. Sociedade do cansaço / Byung-Chul Han ; tradução de Enio Paulo Giachini. Petrópolis, RJ : Vozes, 2015.

INSTAGRAM anuncia ferramentas para evitar informações falsas sobre o coronavirus. G1. Disponível em: < https://g1.globo.com/economia/tecnologia/noticia/2020/03/24/instagram-anuncia-ferramentas-para-evitar-informacoes-falsas-sobre-o-coronavirus.ghtml>. Acesso em: 8 jan. 2021.

KAHNEMAN, Daniel. Thinking, fast and slow. Nova Iorque: Farrar, Straus and Giroux, 2011.

KRUGER, Justin; DUNNING, David. Unskilled and unaware of it: how difficulties in recognizing one's own incompetence lead to inflated self-assessments. Journal of Personality and Social Psychology, v. 77, n. 6, p. 1121–1134, 2000. Disponível em: < https://doi.apa.org/doiLanding?doi=10.1037%2F0022-3514.77.6.1121>. Acesso em: 8 jan. 2021.

LACLAU, Ernesto. Populism: What's in a Name? In: PANIZZA, Francisco (Ed). Populism and the Mirror of Democracy. Nova York: Verso, 2005.

MACHADO, Jônatas Eduardo Mendes. Liberdade de expressão: dimensões constitucionais da esfera pública no sistema social. Coimbra: Coimbra, 2002.

MANIN, Bernard. The Principles of Representative Government. Cambridge University Press, 2002.

MCPHERSON, Miller; SMITH-LOVIN, Lynn; COOK, James Matthew. Birds of a feather: Homophily in social networks. Annual Review of Sociology, v. 27, n. 1, p. 415–444, 2001. Disponível em: < https://www.annualreviews.org/doi/abs/10.1146/annurev.soc.27.1.415>. Acesso em: 17 jan. 2021.

MOUFFE, Chantal. Sobre o político. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2015.

MUDDE, Cas; KALTWASSER, Cristoval Rovira. Populism: A very short introduction. Oxford, UK: Oxford University Press, 2017.

MUÑOZ, Óscar Sanchez. La igualdad de oportunidades en las competiciones electorales. Madrid: Centro de Estudios Políticos y Constitucionales, 2008.

OAKESHOTT, Michael. The Politics of Faith and the Politics of Scepticism, edited and

introduced by Timothy Fuller, New Haven and London, 1996.

OEA. Convenção Americana Sobre Direitos Humanos. San José, 22 de novembro de 1969. Disponível em: <https://www.cidh.oas.org/basicos/portugues/c.convencao_americana.htm>. Acesso em: 16 jan. 2021.

ONOFRE, Renato. Parler: a "rede social da extrema-direita' usada para mobilizar a invasão ao congresso americano. Epoca. Disponível em: < https://epoca.globo.com/mundo/parler-rede-social-da-extrema-direita-usada-para-mobilizar-invasao-ao-congresso-americano-24827320>. Acesso em: 8 jan. 2021.

ONU. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Assembleia Geral das Nações Unidas em Paris. 10 dez. 1948. Disponível em: <http://www.dudh.org.br/wp-content/uploads/2014/12/dudh.pdf>. Acesso em: 16 jan. 2021.

OXFORD DICTIONARIES. Word of the year 2016 is... Online, 6 de nov. de 2016.

Disponível em: <https://en.oxforddictionaries.com/word-of-the-year/word-of-the-year-2016>. Acesso em: 10 dez. 2020.

PECCININ, Luiz Eduardo; COPI, Lygia Maria. A Lei da Ficha Limpa entre o discurso da moralidade e os interesses dos congressistas: Uma análise da aprovação da Lei Complementar n. 135/2010 a partir da teoria da escolha racional. Revista Justiça Eleitoral em Debate - v. 9. n. 2. p. 60-69. 2019. Disponível em: < https://abradep.org/wp-content/uploads/2020/10/revista-justica-eleitoral-em-debate-v9-n-2.pdf>. Acesso em: 6 jan. 2020.

RECUERO, Raquel; GRUZD, Anatoliy. Cascatas de Fake News Políticas: um estudo de caso no Twitter. Galáxia (São Paulo), n. 41, p. 31-47, 2019. Disponível em: < https://revistas.pucsp.br/index.php/galaxia/article/view/39035>. Acesso em: 17 jan. 2021.

REINA, Elena. Três grandes redes de TV dos EUA interrompem o discurso em que Trump blefava sobre fraude eleitoral. El Pais. Disponível em: < https://brasil.elpais.com/internacional/2020-11-06/tres-grandes-redes-de-tv-dos-eua-interrompem-o-discurso-em-que-trump-blefava-sobre-fraude-eleitoral.html>. Acesso em: 08 jan. 2021.

ROSANVALLON, Pierre. Counter-democracy. Cambridge University Press. 2008.

ROSANVALLON, Pierre. Parlamento dos invisíveis. São Paulo: Annablume, 2017.

RUPPENTHAL NETO, Willibaldo. Os verdes e azuis na história secreta de Procópio. Revista Plêthos. Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 75-96, 2012. Disponível em: <https://www.historia.uff.br/revistaplethos/nova/index.php?Edi%C3%A7%C3%B5es:Pl%C3%AAthos%2C_2%2C_1%2C_2012>. Acesso em: 19 mai. 2020.

RYDGREN, Jens. Radical right-wing parties in Europe: What’s populism got to do with it?. Journal of Language and Politics. 2017. Disponível em: < https://benjamins.com/catalog/jlp.17024.ryd>. Acesso em: 17 jan. 2021.

SANTAELLA, Lucia. A Pós-Verdade é Verdadeira ou Falsa? (Interrogações). Organizado por Fabio Cypriano. Barueri, SP: Estação das Letras e Cores, 2018

SALGADO, Eneida Desiree; ARAÚJO, Eduardo Borges. Do Legislativo ao Judiciário – A Lei Complementar nº 135/2010 (“Lei da ficha limpa”), a busca pela moralização da vida pública e os direitos fundamentais. Revista de Direito Administrativo e Constitucional – A&C. Belo Horizonte, ano 13, n.54, out/dez. 2013.

SALGADO, Eneida Desiree. Princípios constitucionais estruturantes do direito eleitoral. 2010. 345 f. Tese (Doutorado em Direito) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2010.

SCHUMPETER, Joseph Alois. Capitalism, Socialism and Democracy. 3. ed. New York: Harper Colophon Books, 1950.

SHAH, Neil.; KUMAR, Srijan. False Information on Web and Social Media: A Survey. Arxiv, 2018. Disponível em: <https://arxiv.org/abs/1804.08559>. Acesso em 20 de nov 2020.

SOUZA NETO, Claudio Pereira. Democracia em crise no Brasil: valores constitucionais, antagonismo político e dinâmica institucional. São Paulo: Editora Contracorrente, 2020.

SPARKLE App: como funciona a rede social sem algoritmo? Enotas. Disponível em: < https://enotas.com.br/blog/sparkle-app/>. Acesso em 8 jan. 2021.

TWITTER suspende permanentemente conta de Donal Trump. O Estado de São Paulo. Disponível em: <https://internacional.estadao.com.br/noticias/geral,twitter-suspende-permanentemente-conta-de-donald-trump,70003575403>. Acesso em: 8 jan. 2021.

WARDLE, Claire. Notícias falsas e pós-verdade: o mundo das fake news e da (des)informação. Disponível em: <https://www.politize.com.br/noticias-falsas-pos-verdade/>. Acesso em: 20 dez. 2020.

Downloads

Publicado

2021-08-31

Como Citar

Terenzi, G. V., Junqueira, B. P., & Botelho, M. C. (2021). ELEIÇÕES, POPULISMO E DESINFORMAÇÃO DIGITAL: O PAPEL DAS REDES SOCIAIS FRENTE A ESTIGMATIZAÇÃO DA IMPRENSA. REI - REVISTA ESTUDOS INSTITUCIONAIS, 7(2), 649–680. https://doi.org/10.21783/rei.v7i2.601

Edição

Seção

Artigos