O FENÔMENO DA ILICITUDE LUCRATIVA

Pedro Rubim Borges Fortes

Resumo


O presente artigo discute o fenômeno da ilicitude lucrativa. Como as empresas privadas tomam decisões racionais sobre a violação das leis consumeristas e a observação empírica mostra que as empresas brasileiras continuam violando o Código de Defesa do Consumidor (CDC), o sistema de tutela coletiva não consegue prevenir essas irregularidades devido à insuficiência de sanções. Analisando todas as 405 ações coletivas movidas contra empresas privadas pelas Promotorias de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa do Consumidor da Capital no Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, entre 1991 e 2010, as sanções impostas pelos juízes não foram suficientes para prevenir novas transgressões coletivas. Os tribunais brasileiros não devem apenas condenar essas empresas por suas violações dos direitos do consumidor, mas também impor sanções econômicas e obrigá-las a reembolsar efetivamente as tarifas ilegais que cobraram de forma abusiva. Os danos punitivos devem ser ótimos, dissuadindo as empresas sem causar custos excessivos que possam prejudicar acionistas e consumidores. A ilicitudade não deve ser lucrativa. No cenário atual de dissuasão imperfeita, as instituições financeiras, as empresas de telecomunicações e outras empresas privadas continuarão a infringir a lei, uma vez que tenham incentivos econômicos para fazê-lo.

Palavras-chave


Ilicitude lucrativa; Direito do Consumidor; Sistema de tutela coletiva

Texto completo:

PDF

Referências


BAIRD, Douglas G.; GERTNER, Robert H.; PICKER, Randal C. Game Theory and the Law. Harvard University Press, 2003.

BESSA, Leonardo Roscoe. Dano moral coletivo. Revista de Direito do Consumidor. São Paulo: RT, 2006, v. 59.

BITTAR FILHO, Carlos Alberto. Do dano moral coletivo no atual contexto jurídico brasileiro. Revista de Direito do Consumidor. São Paulo: RT, 1994, v. 12.

DA SILVA FILHO, Osny. Punitive (and) Pain-and-Suffering Damages in Brazil. Law and Social Economics. New York, Palgrave Macmillan, 2015.

DIDIER JR, Freddie; ZANETI JR, Hermes. Curso de Direito Processual Civil: processo coletivo. São Paulo: JusPodivm, 4ª ed., 2009.

EISENBERG, Theodore et al. The predictability of punitive damages. The Journal of Legal Studies, v. 26, n. S2, 1997.

EISENBERG, Theodore; RACHLINSKY, Jeffrey J.; WELLS, Martin T. Reconciling experimental incoherence with real-world coherence in punitive damages. Stanford Law Review, v. 54, n. 6, 2002.

FISHER, Jeffrey L. The Exxon Valdez case and regularizing punishment. Alaska Law Review, v. 26, n. 1, p. 1-46, 2009.

FORTES, Pedro R. B. The Law related to Brazilian Sports Fans: An Introduction for a British Audience. Entertainment and Sports Law Journal, v. 11, n. 2, 2013.

FORTES, Pedro R. B. War and peace among organized support groups: the challenge of ensuring safety in football stadiums. Caderno FGV Projetos, v. 22, 2013.

FORTES, Pedro R. B. A responsabilidade coletiva de torcidas organizadas. Revista do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, v. 48, 2013.

FORTES, Pedro R. B. We The Fans: Should International Football Have Its Own Constitution?, Southwestern Journal of International Law, v. 21, 2014.

FORTES, Pedro R. B. Das Brasilianische Sport-Fan Gesetz: eine Einführung für das deutsche Publikum, Mitteilungen der Deutsch-Brasilianischen Juristenvereinigung, v. 1, 2014.

GIDI, Antonio. A class action como instrumento de tutela coletiva de direitos: as ações coletivas em uma perspectiva comparada. São Paulo: RT, 2007.

HERSCH, Joni; VISCUSI, W. Kip. Punitive damages: how juries and judges perform. The Journal of Legal Studies, v. 33, n. 1, 2004.

MAZZILLI, Hugo Nigro. A defesa dos interesses difusos em juízo. São Paulo: Saraiva, 21ª edição, 2008.

POLINSKY, A. Mitchell. Are punitive damages really insignificant, predictable and rational? A comment on Eisenberg et al. The Journal of Legal Studies, v. 26, 1997.

RAMOS, André de Carvalho. A ação civil pública e o dano moral coletivo. Revista de Direito do Consumidor. São Paulo: RT, 1998, v. 25.

ROSENVALD, Nelson. O dano moral coletivo como uma pena civil. In: ROSENVALD, Nelson; NETO, Felipe Teixeira (org.). Dano Moral Coletivo. Indaiatuba: Editora Foco, 2018.

SOARES, Flaviana Rampazzo. O percurso do "dano moral coletivo" na jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça. In: ROSENVALD, Nelson; NETO, Felipe Teixeira (org.). Dano Moral Coletivo. Indaiatuba: Editora Foco, 2018.

SUNSTEIN, Cass R.; KAHNEMAN, Daniel; SCHKADE, David. Assessing punitive damages (with notes on cognition and valuation in law). In: SUNSTEIN, Cass R. Behavioral Law and Economics (Ed.). Cambridge University Press, 2000.

SUNSTEIN, Cass R. et al. Punitive damages: how juries decide. Chicago: Chicago Press, 2002.

ZAVASCKI, Teori Albino. Processo coletivo: tutela de direitos coletivos e tutela coletiva de direitos. São Paulo: RT, 4ª ed., 2009.




DOI: https://doi.org/10.21783/rei.v5i1.361

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Pedro Rubim Borges Fortes

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

                                                                                                                     

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia